Circuit bending

Há alguns dias comprei dois potenciômetros, e tive uma primeira experiência fracassada com eles conectados ao Arduino. Cheguei a pensar que havia queimado um deles – de fato, chegou a sair fumaça, mas ele continua funcionando. Descobri mais tarde que havia conectado de maneira completamente equivocada os fios no circuito.

Quando descobri como ligar os potenciômetros, comecei a testar os valores que geravam no Arduino, e de que maneiras poderia utilizá-los para controlar outros dispositivos de saída no circuito. Fiz testes com um motor e com LEDs. Mas me faltava algum dispositivo sonoro.

Ai vem o acaso do destino. Recentemente meu fone de ouvido foi inutilizado em um acidente com minha bicicleta e um singelo ônibus. Como o bicho já não me servia mais como fone de ouvido, resolvi fazer um circuit bending e ver que diabos aconteceria.

Gravei em vídeo o resultado da experiência.

Aparelhos eletrônicos antigos e quebrados, brinquedos, qualquer objeto que tenha componentes eletrônicos pode ser uma fonte de experimentação. Se a gente não testar, não tem como saber o que vai funcionar. E algumas surpresas interessantes podem ocorrer no caminho.

Esse post foi publicado em vídeos e marcado , por mauro pinheiro. Marcar link permanente.

Sobre mauro pinheiro

Professor adjunto do Departamento de Desenho Industrial da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), coordenador do Laboratório de Psicologia da Computação (LabPC). Minhas pesquisas acadêmicas tratam dos seguintes assuntos: design de interação, usabilidade, interação homem-computador, ubiquidade computacional, computação pervasiva, design da experiência, design da informação, questões sociais do uso de sistemas computacionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *